terça-feira, 8 de junho de 2010

última manga - Campeonato Europa 2010

o melhor dia!
a previsão era excelente, com tecto alto e vento fraco, alguns (poucos) cúmulos a aparecer.
subimos cedo para a descolagem e logo se percebeu que a organização queria deixar uma boa imagem e proporcionar aos pilotos a desforra pelos longos dias de espera debaixo de um céu carregado de chuva e mau tempo, com os programas alternativos chatos e aborrecedores (visitas a pontos turísticos da zona, piscinas fantásticasm, saunas mistas, etc..)
ouviu-se falar numa manga de 180km!
acabou por ser "apenas" de 141... uma triangulação com golo em Abtenau para proporcionar o espectáculo também á população local.
Na hora da partida, foi a brisa local que pregou uma partida, com o vento a entrar de costas e a atrasar as descolagens a quem estava mal posicionado. Acabou por se organizar e a partir daí foi a corrida mais alucinante! com a passagem no Dachstein, o cenário seria digno de um relato por si só. As paredes de rocha vertical e a neve e gelo do glaciar impressionam pela dimensão. No entanto toda a gente estava ali a competir a sério e foi possível andar bastante rápido pelas paredes fora em direcção á 1ª baliza.
Uma constante neste cenário é a presença de caminheiros e escaladores em TODOS os cumes que cruzamos, impressionante como no mais remoto pico se vêm grupos de volta do belo salsichão e presunto, depois da caminhada até lá acima. enquanto nós por cá.. é mais centros comerciais e estádios de futebol :P

de volta á corrida: o grupo da frente ia seguindo mais ou menos compacto e estava a audiência toda a vibrar, a seguir em directo pelo Google Earth. cruzámo-nos com muitos planadores, asas delta e outros parapentes, a fazer o seu voo local mas que também ajudaram a marcar as térmicas. no ataque á baliza de Radstaad era necessário cruzar o vale principal e foi interessante ver como os vários grupos convergiram quase em simultaneo para a baliza, apesar das várias opções tomadas, todas resultaram praticamente sem grandes diferenças. Na frente, os manos Virgílio continuavam a puxar bem enquanto o resto do team seguia no grupo perseguidor.
o ataque ao colosso de rocha antes da passagem para o vale de Abtenau tb se revelou crítico e aqui ficou praticamente definido o resultado final pois do outro lado iríamos encontrar ascendente bastante fraca e apenas já na parte final. foi portanto uma transição bastante longa sempre a cair pelo planalto até á última baliza. o francês Luc Armant arriscou tudo e acabou por aterrar antes do golo, enquanto Donini controlava tranquilamente, observando de cima e tirando para o golo com a corrida e o título controlado.. o Cláudio estava no encalço e fez a jogada. atacou forte também e cruzou o End of Speed Section praticamente ao mesmo tempo que o LucaDonini, num final de cortar a respiração. No entanto estava bastante baixo e havia ainda que cruzar a linha, para validar o tempo. Foi inglório o esforço - uma vez que tocou com os pés no chão antes da linha, para ainda descolar novamente no pequeno declive antes do golo - mas de grande mérito, a comprovar o nível dos nossos pilotos, que neste momento voam de igual para igual com os melhores do Mundo. Logo depois chega o NunoV, nos 20 primeiros. O Paulo Nunes terminou também pouco depois esta exigente prova, chegando com a sensação de missão cumprida. Nuno G e Cris aterraram antes, depois de grande luta e de um voo épico. No caso do Cris, partindo da desvantagem de ir sozinho por não ter podido descolar na molhada pelo facto referido do vento de costas durante um largo período.




Luca Donini não deu hipótese á forte concorrência e prova uma vez mais que está entre os melhores dos melhores, juntando o 2º título de campeão da Europa ao seu palmarés (campeão do Mundo em 2001, Europeu em 2006 e 2010, 3º da PWC em 2009, aqui aos comandos de uma asa "convencional", quando se estreou o carbono nos protos da Ozone)

ficamos com a sensação de ligeiro amargo de boca, mas com a nítida convicção de que a classificação final não traduz o nível real. Há que continuar a apostar forte em provas de nível elevado. Só assim é possível progredir e evoluir nesta modalidade. fica o desafio a todos para mudar o "chip". desde a federação, aos organizadores, e fundamentalmente aos pilotos. voem muito, voem mais, mais longe, mais rápido, mais alto, em segurança.

Sem comentários:

Publicar um comentário